Casal fala sobre experiências de trabalhar no resgate das vítimas de Brumadinho

Browse By

Casal fala sobre experiências de trabalhar no resgate das vítimas de Brumadinho

Casal fala sobre experiências de trabalhar no resgate das vítimas de Brumadinho, onde a barragem se rompeu em 25 de janeiro.

Juntos há oito anos, o casal disse que trabalhar em um mar de lama era um cenário que não tinam imaginado ao longo dos anos de carreira no corpo de bombeiros.

Kênia Oliveira Rosa, cabo do 1º pelotão da 2º Cia dos Bombeiros de Lavras (MG) dividiu experiências ao lado de seu marido, Deusdet Moreira de Souza, Sargento do batalhão de Operações Aéreas da base em Varginha (MG).

“No sábado, eu tinha ligado pro Capitão Sílvio pra ser voluntária. Fiquei sabendo pelos meus colegas que quem tinha feito um curso preparatório, que só alguns bombeiros fazem, poderia fazer parte. Logo me prontifiquei”, disse Kênia.

Já o sargento disse que todas as atividades que os outros executavam ele estava fazendo também.

“Trabalhei na área alagada e na mais seca. Quando chegou o maquinário na área alagada, a gente foi deslocado. Todas as atividades que os outros fizeram, eu estava fazendo também”, disse ele.

Casal fala sobre experiências de trabalhar no resgate das vítimas de Brumadinho
Casal fala sobre experiências de trabalhar no resgate das vítimas de Brumadinho

Clique Aqui e Veja o Que eu Descobri na Sessão de Ontem Acerca da Participação Popular na criação de leis do município de Periquito.

Como funciona os debates acerca dos Projetos de Lei a serem aprovados em Periquito
Instituto Cenibra aposta em parcerias para promover o desenvolvimento social e econômico no leste de Minas
Com apoio da CENIBRA Projeto Encontro Marcado com Fernando Sabino chega a Periquito
Bombeiros percebem movimentação de rejeito em Barragem de Brumadinho
ANM coloca em consulta pública proposta de acabar com barragens como a de Brumadinho
Procurador Geral de Justiça afirma que tragédia de Brumadinho não foi obra da natureza
Juiz afirma que funcionários da Vale poderiam ter evitado maior parte das mortes