Prefeito de Brumadinho diz que a cidade não está recebendo apoio suficiente

Browse By

Prefeito de Brumadinho diz que a cidade não está recebendo apoio suficiente

Prefeito de Brumadinho diz que a cidade não está recebendo apoio suficiente e diz que a situação tende a piorar.

Um mês depois da tragédia do maior acidente trabalhista do Brasil, rompimento da barragem de Brumadinho, o prefeito da cidade, Avimar de Melo Barcelos, reclama da falta de apoio à cidade.

Além disso, o prefeito reclama da diminuição do número de bombeiros que fazem buscas e da falta de repasse de verba do governo estadual.

“Por enquanto a gente está um pouco abandonado pelo governo Estadual e Federal. o efetivo do bombeiros já foi bem maior, eles já foram embora em grande parte”, disse.

“Ainda tem muitas vítimas debaixo da lama, os bombeiros estão indo embora e as pessoas podem não serem encontradas, o que as famílias querem agora é um enterro digno”, afirma o prefeito.

Avimar de Melo diz ainda que, depois da tragédia, o estado de Minas Gerais prometeu pagar os afetados, repassar R$ 23 milhões, o que não aconteceu.

“Fui lá na semana passada e eles disseram que não puderão pagar, que estão apertados”, concluiu.

Prefeito de Brumadinho diz que a cidade não está recebendo apoio suficiente
Prefeito de Brumadinho diz que a cidade não está recebendo apoio suficiente

Clique Aqui e Veja o Que eu Descobri na Sessão de Ontem Acerca da Participação Popular na criação de leis do município de Periquito.

Como funciona os debates acerca dos Projetos de Lei a serem aprovados em Periquito
Instituto Cenibra aposta em parcerias para promover o desenvolvimento social e econômico no leste de Minas
Com apoio da CENIBRA Projeto Encontro Marcado com Fernando Sabino chega a Periquito
Bombeiros percebem movimentação de rejeito em Barragem de Brumadinho
ANM coloca em consulta pública proposta de acabar com barragens como a de Brumadinho
Procurador Geral de Justiça afirma que tragédia de Brumadinho não foi obra da natureza
Juiz afirma que funcionários da Vale poderiam ter evitado maior parte das mortes