Browse By

Mariana ainda segue com alto índice de desemprego após três anos de tragédia

Mariana ainda segue com alto índice de desemprego após três anos de tragédia que afetou as vidas de pelo menos 500 mil pessoas.

Três anos após maior tragédia ambiental do país, a falta de emprego ainda é uma das causas que tiram o sono dos moradores de Mariana.

De acordo com as informações atuais do Sistema Nacional de Empregos (SNE), o desemprego em Mariana está em 22,7%.

Mariana ainda segue com alto índice de desemprego após três anos de tragédia, antes de novembro de 2015, o número não passava de 6%.

Além disso, a situação se repete em outro municípios e distritos que também dependia da receita gerada pela mineradora.

A dona Marlete Deusdethi Barros, de 44 anos, relata que depois do rompimento da barragem, foi demitida do cargo de encarregada de alojamento de uma empresa que prestava serviços a Samarco.

Marlete que é moradora do distrito Antônio Pereira, Ouro Preto (Mg), e fica entre Mariana e a Barragem, diz que o distrito inteiro está sofrendo.

“O distrito inteiro está sofrendo aqui, a gente sobrevivia aqui com as vagas geradas direta ou indiretamente pela mineradora”, disse.

Mariana ainda segue com alto índice de desemprego após três anos de tragédia
Mariana ainda segue com alto índice de desemprego após três anos de tragédia

Clique Aqui e Veja o Que eu Descobri na Sessão de Ontem Acerca da Participação Popular na criação de leis do município de Periquito.

Como funciona os debates acerca dos Projetos de Lei a serem aprovados em Periquito
Instituto Cenibra aposta em parcerias para promover o desenvolvimento social e econômico no leste de Minas
Com apoio da CENIBRA Projeto Encontro Marcado com Fernando Sabino chega a Periquito
Bombeiros percebem movimentação de rejeito em Barragem de Brumadinho
ANM coloca em consulta pública proposta de acabar com barragens como a de Brumadinho
Procurador Geral de Justiça afirma que tragédia de Brumadinho não foi obra da natureza
Juiz afirma que funcionários da Vale poderiam ter evitado maior parte das mortes