Bolsonaro: "estou comendo o pão que o diabo amassou" - PEN

Browse By

Bolsonaro: “Estou comendo o pão que o diabo amassou”

Durante um almoço entre caminhoneiros em um restaurante de beira de estrada, nesta sexta-feira (31), o presidente Jair Messias Bolsonaro (PSL), disse estar comendo pão que o diabo amassou, mas só muda se cassarem seu mandato.

“Eu estou comendo o pão que o diabo amassou. Não loteamos ministérios, bancos oficiais e estatais. (…) Só muda se alguém cassar o meu mandato”, afirmou o presidente.

Bolsonaro, rodeado por cerca de 30 caminhoneiros, incentivou o grupo a dar entrada no pedido de porte de arma de fogo, se comprometeu a acabar com os radares móveis.

“Para dar uma folga para o policial rodoviário”, comentou.

Além disso, o presidente disse que pretende aumentar a validade da carteira de motorista para dez anos e passar o limite de pontos para 40.

INSCREVA-SE NO NOSSO CANAL DO YOUTUBE

Como funciona os debates acerca dos Projetos de Lei a serem aprovados em Periquito
Instituto Cenibra aposta em parcerias para promover o desenvolvimento social e econômico no leste de Minas
Com apoio da CENIBRA Projeto Encontro Marcado com Fernando Sabino chega a Periquito
Bombeiros percebem movimentação de rejeito em Barragem de Brumadinho
ANM coloca em consulta pública proposta de acabar com barragens como a de Brumadinho
Procurador Geral de Justiça afirma que tragédia de Brumadinho não foi obra da natureza
Juiz afirma que funcionários da Vale poderiam ter evitado maior parte das mortes

Como funciona os debates acerca dos Projetos de Lei a serem aprovados em Periquito
Instituto Cenibra aposta em parcerias para promover o desenvolvimento social e econômico no leste de Minas
Com apoio da CENIBRA Projeto Encontro Marcado com Fernando Sabino chega a Periquito
Bombeiros percebem movimentação de rejeito em Barragem de Brumadinho
ANM coloca em consulta pública proposta de acabar com barragens como a de Brumadinho
Procurador Geral de Justiça afirma que tragédia de Brumadinho não foi obra da natureza
Juiz afirma que funcionários da Vale poderiam ter evitado maior parte das mortes